quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Saudades

Um arrepio percorreu meu corpo
quando lembrei de você
As luzes piscaram
o tempo parou

Corri pra fora
olhei as estrelas
a brisa me acalmou

Mas você podia ter me abraçado 
aquela ultima noite
podia ter me feito carinho

Não ia ser ruim 
se o vento levasse a nossa canção
cada nota são lagrimas nos meus olhos

Foi tudo tão triste
que eu tive que ir
mas você nem sabe ao menos
que eu ainda sinto saudade

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Noite de flor

Dormia assim

Toda encolhida
como se quisesse recolher-se dentro de si mesma

Aquecia-se com carinhos invisíveis
enternecia-se feito poesia

Era apenas ela
a circular por aquele quarto vazio

Seu orgulho foi feito num delírio
daquelas noites agudas

Mas ela ficou assim
no fim
descoberta em si

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Ingratidão

Andei pela calçada e refleti, o dia tinha sido cansativo e minha mente assim como o resto de mim só queriam descansar , ou talvez sumir. Olhei para o céu, algumas estrelas aqui  e ali, apenas um céu de cidade grande, de repente aqueles olhos pareceram me assaltar, suspirei, ele realmente me tirava o ar. Não por ele ser isso ou aquilo , apenas por ser assim tão só  que se encaixava apenas em minha imaginação.

Sorri com a lembrança do toque macio dos cachos de sua nuca, eram por minha causa que eles estavam ali , casa um deles significava pra mim , um tipo de liberdade que eu talvez nunca pudesse descrever.

Caminhei por mais alguns metros e me sentei no meio fio, eu só queria sumir, correr pelo mar , navegar por terra e ver quem vinha atras de mim. Eu não era tão sozinha a ponto de me deprimir. Olhei para as minhas roupas, pensei em minha família, meus amigos, cachorro, gato, o guardinha da escola, os cigarros em minha mochila, uma bolsa cheia de sonhos ; Mas mesmo assim eu não sabia porque , me sentia tão vazia, tão deslocada, como se sempre me faltasse uma peça.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

sonho

É fácil sentir falta da luz do sol quando só consigo enxerga-la em seus olhos
Você vem voando até mim
e eu sei que poderíamos voar com um pouco mais de otimismo
Eu dormiria em seu colo e você me diria palavras bonitas
E tudo seria perfeito
Apenas você e eu

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

O garoto da farmácia

Ainda é cedo
Porém hoje com a morte se foi um dos nossos

Eu não o conhecia
mas é triste sentir aquele ultimo sopro vazio por entre seus pulmões

É com pesar que vejo seu coração parar de bater lentamente
e te deixo caminhar para onde não há esperança

Tenho medo que um dia isso acabe com a gente
e de fato vai acabar

Nossas vidas não passam de pontinhos no universo
que um dia de tão pequenos e frágeis vão se acabar

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Calido amor

Paixão
cálida nevoa que cobre meus olhos
Medo deserto que assola minha mente

Me puxe para perto
quero me afogar em seus braços
escorregar no calor do seu corpo

Você abriu um belo sorriso
em teus olhos vi desejo
abri os olhos e sorri depois do teu beijo






quinta-feira, 18 de julho de 2013

Amor em um dia

Sentados na grama , tudo parecia perfeito naquele dia , o silêncio rondava a alma dos dois e o amor que até ali não existia parecia intacto. Danilo  suspirava , o ar ao redor dela parecia mais doce e o jeito que ela olhava diretamente em seus olhos o fazia crer no paraíso.
O vento balançava calmamente as folhas da arvores e Angelina  se levantou e o puxou pela mão, ele pensou que não podia haver sorte maior no mundo : estar no paraíso com o amor de sua vida. Ela lançou um olhar melancólico em direção a Danilo e depois o beijou , lentamente os lábios deles dançavam doces e silenciosos, para Danilo não podia existir nada mais harmonioso que o calor quente e delicado do corpo de Angelina e ele desejou que aquilo não acabasse nunca.
O dia foi passando vagaroso para Angelina, ela nunca havia estado tão apaixonada e a cada risada dele ela sentia seu coração pular.Já anoitecia quando os dois tiveram de se despedir , ele se aproximou e tocou o rosto de Angelina suavemente, ela não queria dizer adeus e ficou parada observando-o  descer a rua.
Depois disso nunca mais se viram, todo os dias eram terríveis e cinzentos para Angelina, e Danilo sabia que nada poderia chegar perto da perfeição dos lábios de Angelina porém foram tantos desencontros que Angelina casou-se com outro e Danilo apenas se acostumou. A ausência para ele fazia parte da vida , e no fundo ele sempre soube que nunca seria bom o suficiente para amar alguém.

sábado, 13 de julho de 2013

Entenda

Me afogando num mar de confissões
preciso lhe dizer a verdade
preciso que entenda
preciso que entenda
preciso que entenda
preciso que entenda
preciso que entenda
preciso que entenda
preciso que entenda
que nada é o que parece ser
só queria fechar os meus olhos e estar com você

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Dia de sol

Sendo invadida pela calma dos dias de sol
deixo-me levar pela sombra e pela brisa fresca
As nuvens no céu azul
fazem minha imaginação voar
Em meus ouvidos pleno silêncio
observo de longe meu espirito voar
Meus pés descalços na grama
eu fecho os olhos e me pergunto
onde está você

terça-feira, 9 de julho de 2013

Lábios de despedida

E de repente ele estava lá como se nunca tivesse partido, entrei no quarto e espiei entre as cortinas; A chuva caía mansa lá fora , me virei para a cama esperando alguma palavra dele , algum gesto mas ele fingia que dormia. Cheguei mais perto e toquei seus lábios com a ponta dos meus dedos e percebi como eram reais aqueles lábios, me deitei ao lado dele e me encolhi , lagrimas grossas escorriam por entre meus olhos e eu não consegui conte-las ele se virou e me puxou pra mais perto beijando meus ombros nus. Cada vez que ele me tocava eu me sentia quente e feliz, eu simplesmente não queria solta-lo nunca mais.
O encarei de repente e o beijei, parecia que aqueles lábios eram novos pra mim, mas ao mesmo tempo tão conhecidos, ele me abraçava e me apertava como se quisesse absorver cada parte minha e realmente estava absorvendo, nos mordíamos e nos beijamos e eu já não sentia medo.
Como numa explosão nos tornamos um, eu sorri ao vê-lo em cima de mim e parecia que todo o seu corpo brilhava, nada era mais feliz que aquilo, a cada movimento dele era uma parte de mim que voltava e quando me senti completa eu fechei os olhos e orei para que não fosse tudo ilusão.
Quando abri os olhos ele tinha partido, talvez nunca tivesse estado, eu o amei por completo mas tudo que restou em mim foi a metade que ele esqueceu antes de partir.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Boa-Noite

Nada te descreve tão bem quanto
um sorriso perdido
ou a ausência de um abraço

Implorei pra você ficar
chorei até a ultima lagrima esperando que alguém me ouvisse

Mas nem a mais alta barganha
ou a mais triste prece
fizeram você ficar

Passei todas as noites relendo palavras incompreendidas
olhando minha fé descer pelo ralo

De manhã esperei que você piscasse o azul dos seus olhos
 então soltei suas mãos
e sussurrei meu ultimo boa noite

terça-feira, 28 de maio de 2013

Sensações

Levantei e o vi de relance perto da janela, me aproximei procurando algum indicio de que havia alguma coisa entre ele e eu. Ele me olhava sem piscar, o segui com olhos por alguns segundos e esses míseros segundos me pareceram anos, não consegui dizer nada , de repente um sentimento enorme de solidão tomou conta de mim. Sim eu estava sozinha ali.  Ele se ajoelhou e beijou minha coxa, senti a ponta do seu nariz roçar suavemente na minha pele, cada partícula do meu corpo estava em negação e eu continuei imóvel enquanto ele beijava minhas pernas e me olhava nos olhos.  A luz do sol no cabelo dele e as suas mãos na minha cintura, tudo aquilo me parecia irreal, nós não éramos quem deveríamos ser.
Acordei no meio do asfalto, o sol estava queimando minhas retinas, Como eu poderia ser eu naquele momento? Decididamente ele estava ali me alimentando com ilusões. O asfalto estava molhado e tudo que eu lembrava era de estar indo a um campo de rosas, fui pega de surpresa ele me mordeu com os lábios ardentes, senti os dentes dele furando meus lábios e não senti dor, apenas o gosto metálico de sangue que escorria meu pescoço. Tudo parecia extraordinariamente belo naquele ângulo. Ele agarrou-me os ombros com certo desespero, os lábios dele estavam manchados de sangues e eu não conseguia me lembrar de onde vinha toda aquela ansiedade, abracei-o e ele chorou, chorou tão imensamente que temi que seu corpo se desfizesse em meus braços, ele era tão pequeno e tão frágil que eu queria que ele ficasse pra sempre junto a mim. Nos deitamos no chão, o asfalto estava verde como a grama e o céu tinha mudado, ele apoiou a cabeça em meus seios e começou a orar uma dor aterradora começava a percorrer meus lábios, meus olhos se fecharam antes que ele pudesse terminar a prece percebi  como era bela a voz dele.
De repente a fumaça do cigarro começou a entrar pelos meus ouvidos, eu não conseguia entender porque estava fumando; ele já não estava comigo, temi ficar sozinha para sempre. Procurei entender porque eu estava ali, tudo me parecia incompleto e meu corpo estava se desfazendo como um pálido quebra- cabeça. A porta se abriu e ele entrou com um buquê de cravos, eu não sabia como os cravos cheiravam, mas um aroma delicioso percorria o quarto. Olhei para as parede, tudo estava branco e vazio, sem nenhum quadro, sem nenhuma foto , sem nada. Ele jogou os cravos no chão à minha frente, parei pra pensar em como ele estava sendo rudes, os cravos não eram para mim, eram pra ele. Uma das mãos dele estava em minha cabeça, eram cachos que eu via descendo em torno dos meus ombros. Murmurei algo para ele, ele não entendeu e embora as palavras tenham saído de mim, também não entendi, ele se abaixou encostando a testa na minha. Fechei meus olhos para ouvi-lo cantar, puxei os cabelos dele com força , gritei , ele também gritou. Meu grito foi de medo, o dele foi de dor. Ele estava me machucando por dentro, despedaçando minha alma, eu me agarrava com todas as minhas forças a aqueles momentos em que reinava a paz. Mas toda a paz acabava se queimando e tudo que eu podia fazer era engolir as cinzas.

Ele me encostou-se à parede e me despiu, minhas roupas estavam rasgadas no chão, ele explorava meu corpo com a língua e com as mãos enquanto eu explorava sua alma . Naquele momento éramos nada e éramos tudo, eu fiz tudo que eu podia para salva-lo, mas ele estava ali deitado no chão, me deitei em cima do corpo frio dele, um fio de cabelo estava entre os lábios dele. Pus um cravo em cima do peito dele e me deitei ao lado. As sensações, os sentimentos, estavam todos ali me avisando que eu não poderia ser mais que um mero ponto esquecido na vida dele, que eu não poderia ser mais do que eu era agora e que eu nunca seria mais que um sonho .

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Renascimento

No escuro da sua mente
com aquele labirinto de rosa
lhe veio aquele velho pensamento amarelo

Haveria de transformar o mundo em circo
Um desejo ardente de comer um sorvete da cor do céu lhe ocorreu
enquanto enterrava algumas barras de ouro


Ele era apenas um jovem, as borboletas diziam
Mas o sol deixara de ser roxo a muito tempo
e agora apenas as praças se derretiam

Ele foi pra praia
Caminhou enquanto gotas de mel lambuzavam seu rosto
Deitou no chão e deixou as águas do aquário cobrirem seu corpo

Agora era vida nova
Algumas as noivas ainda não tinha desistido do véu
mas a areia continuaria a ser areia

sábado, 27 de abril de 2013

Uma rapida reflexão sobre a morte

Vim andando rápido pela rua, a cada passo que eu dava a lua me seguia. Algo parecia pulsar dentro de mim e percorrer minhas veias , algo de que eu não podia fugir.
Resolvi parar, a agitação tomava conta de mim , sentei no meio fio e por um momento refleti. Depois veio o choro, um choro tão brando que pareceu levar todos os sentimentos embora, eu chorava e tremia como se tudo fosse acabar naquele instante mas eu realmente não sabia. Quando sequei os olhos não havia mais nada
nem dor nem medo, apenas as sensação que a morte viria rápida e leve como um injeção letal.

domingo, 21 de abril de 2013

Tédio

Se eu me perder
vou te encontrar
Se eu sorrir 
você vai chorar

Nem tudo aquilo que é 
é realmente tudo aquilo que pensam 

Levanta da cama tira um sorriso
levanta os olhos não se vê luz

Esquece o medo
tá com tédio
tá com dor 
tá levando 
 tá com vida 

sábado, 20 de abril de 2013

Pés descalços

Seus olhos são luz que iluminam a madrugada
Num sussurro ouço o seu até mais ver
Num beijo lhe peço para ficar mais

Queria eu andar mais rápido que seus passos
Ser mais leve que seu toque
Queria ser eu a lhe abrir os portões do paraíso 

Não posso temer a presença da morte
Nunca soltar suas mãos
De pés descalços ir ao nosso destino
Fugir e nunca mais retornar

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Fantasmas

Alguns reclamam da própria família, outros só queriam ter mãe ou pai
Alguns choram pelo passado, outros queriam esperanças para o futuro
Alguns reclamam por ter que trabalhar, outros queriam poder levantar da cama 
Alguns queriam ter apenas um pouco mais de coragem, outros já não tem mais forças 
Alguns queriam poder esquecer, outros queriam lembranças 
Alguns queriam entender, outros nunca puderam explicar 
Alguns reclamam da distância, outros sabem que quem se foi nunca mais vai voltar
Quem se foi não volta mais
não volta mais.  

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Prece

Você me faz querer rezar
Agarrar-me a silenciosas preces 
tocar teus lábios de profunda indecisão 

Você me tira do sério
Me perco em devaneios e desejos
Me solto em sua misteriosa dança
E me encontro em teu olhar

Você espalha poesia
Me abriu as portas do céu 
sem nem mesmo ter a chave

Me sorriu quando eu chorava
Me aproximou quando eu me afastava
Me amou quando nem eu amava 

quinta-feira, 28 de março de 2013

Do amor do medo

Cada lembrança
escondida com tanto cuidado
veio a tona

Lembrando a ela
que os dias passaram sem que alguma coisa mudasse

O vento do outono
fizeram ela acreditar que as coisas
podiam ser diferente

Mas lá no fundo
como uma velha fotografia

Ainda restava dor
amor e medo

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O amor do poeta

Acho que sou
apenas uma criança tola

Para mim o amor é o universo
e me ensinaram que o universo é infinito

Me arrisquei no mundo das palavras
dancei com alguns versos

Tive medo de não voltar
e deixa-lo sozinho
como pude ser tão bobo?

Você esta em cada linha
sua essência permanece em cada palavra
o seu toque que compõe meus versos

E enquanto eu puder imaginar
 mais algumas belas estrofes
sorrir com algumas palavras
sempre estaremos um com o outro


domingo, 3 de fevereiro de 2013

Meu avô

Me disseram que você tinha olhos claros
cresci sabendo que você bebia

Como por religião
eu acreditava que você não era santo

Um bom homem diziam
e eu acreditava nisso sem espanto

Até depois de morto suas histórias são engraçadas
Mas como eu poderia saber?

Já que só você me conhecia
já eu nunca tivera esse prazer

Você morreu naquele dia
um acidente me disseram até hoje

Porém desde pequenina eu já sabia
morreu porque bebia

Marcos e Sofia

O confronto daquela noite tinha sido intenso.  As lagrimas secaram no rosto de Sofia e ela não sabia para onde ir, cada parte da alma dela estava com ele, e ela vivia pra ele e por ele, e naquele minuto ela não sabia para onde ir.
Marcos levantou-se e pegou um copo no armário  por um instante ele pensou em café, mas foi logo seduzido por uma garrafa de vodca em cima do armário, despejando o liquido transparente dentro de um copo, bebeu um gole exagerado que o fez tossir e depois foi até o canto do quarto e ofereceu a Sofia, ela não parecia bem , estava toda encolhida e pesadas lagrimas corriam sob a face dela. Por alguns minutos ela o olhou nos olhos, mas estava ferida demais para continuar a faze-lo:
-Desculpa. Ele murmurou baixinho,ela queria desesperadamente dizer não, dizer que não aguentava tudo aquilo,dizer que queria ficar sozinha. Mas ele parecia estar com medo também, ela se levanto ignorando o copo de vodca e o pedido de desculpas e foi até o chuveiro e o ligou,  a água fria bateu com violência nos ombros dela.  Marcos entrou de fininho no chuveiro, prendeu seu corpo gelado ao dela que ardia febril , por alguns instantes ele sentiu o cabelo de Sofia roçar em sua pele, e depois se lembrou daquela noite, de como havia gritado com ela e aquilo o cortou por dentro, ela naquele momento tão quieta e tão frágil, ele não podia acreditar que tinha tido coragem de magoa-la.
Ele a tirou do chuveiro, e a carregou no colo até a cama e a fez dormir com uma velha canção de ninar, a vodca havia deixado Marcos sonolento e então ele deitou ao lado dela, aproveitando cada detalhe do corpo e do cheiro de sua amada, Sofia fingia dormir, mas sabia que ele estava ali acordado só a presença dele a deixava embriagada e ela perdia o controle.
Naquele dia não houve beijos, os lençóis não foram arrancados na cama e também não houveram ''Eu te amos'' ditos aos gritos, apenas  uma vago silêncio, Marcos naquele dia muito pensou em como não perde-la e Sofia pensou muito em como perdoa-lo
Nenhum dois parecia conseguir dizer alguma coisa, Sofia o amava muito e Marcos simplesmente não conseguia viver sem aqueles negros olhos de Sofia, ele a beijou e acariciou as bochechas dela como sempre faziam. "Meu deus eu te amo tanto'' ela pensou,  em seguida vestindo apenas um gorro de lã ela pegou sua bolsa e partiu.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Homenagem

O que fazer
quando as lagrimas
já não conseguem levar a dor embora

O que dizer
quando já não há explicações ou palavras
para descrever tamanha tristeza

Quando os  seus sorrisos
vem sempre acompanhado de um grande vazio

Como se justificar quando outros abraços já não são suficientes
 que o seu abraço mais desejado se foi para sempre

Acordar de manhã diante de tantas perdas
nos parece difícil
Ir dormir sem um ultimo boa noite nos parece impossível

Mas a luz de tantos sonhos nunca será apagada
a beleza da juventude nunca será esquecida


E a chama do amor sempre estará acesa
no coração daqueles que um dia os amaram



**Dedico este poema a todas as vitimas do incêndio de Santa-Maria
e aos seu familiares.




quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Gosto do teu jeito
de me fazer sorrir com os olhos
de me arrepiar o corpo inteiro


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Memórias de um garoto de Mississipi



E minha namorada desmaiou em meus braços, eu não sabia o que ela tinha, mas estava claro que ela estava muito doente, tentei não dar bola para aquilo e segui viajem.  Depois de algumas horas tudo ficou muito mais claro: Ela morreria.  Olhei para ela por alguns instantes, há minha doce Anne, seria uma pena vê-la em um caixão, pois mesmo agora doente  e aterradoramente frágil, ela continuava sendo de uma beleza estonteante.  Por fim chegamos a um hotel na beira da estrada, eu a deitei naquela cama fétida e miserável que só um hotel de beira de estrada poderia oferecer e a observei dormir, a respiração dela era regular e eu me lembrei de momentos  há muito tempo esquecidos, de quando éramos crianças e brincávamos em nossos quintais no estado do Mississipi, eu queria dizer à ela que depois de todos esses anos eu havia finalmente descoberto o  que eu sentia por ela , e essa descoberta fora inerte e sem ar naquele quarto frio de hotel. Ela continuava lá com seu sono irregular, parecia estar sonhando com alguma coisa, eu ainda me lembrava de como havia conhecido ela, no primeiro segundo que a vi fiquei intrigado com aqueles grandes olhos que pareciam duas pérolas negras, eu apenas não entendo como ela tinha se apaixonado por algo tão horrendo que era a minha existência, pois mesmo naquela época muitas a queriam; Eu costumava chamá-la de lábios de chocolate, lembro-me também do meu primeiro beijo, fora num verão embaixo de uma arvore que eu já não lembro o nome, ambos tínhamos treze anos e a sensação de tocar aqueles lábios frescos pela primeira vez foi tão espetacular que eu voltei para casa tremendo e fiquei extasiado por dias.
Ficamos no mesmo hotel semanas e semanas, algumas vezes ela acordava e pedia por água, mas na maioria do tempo o sono dela era tão profundo que eu temia que ela morresse sem eu perceber, durante anos ela se jogara em meus braços jurando amor eterno, e naqueles momentos eu apenas não sabia o que dizer, pobre Anne como ela devia ter sofrido por aquilo, e mesmo depois de tanta indiferença o sorriso dela ainda era alegre e esperançoso como se ela soubesse que algum dia eu diria algumas palavras de conforto. Na noite de inverno em frente a lareira eu a desejava tanto, cada parte do corpo dela era  pra mim um lugar misterioso e mágico e eu queria explorá-lo dia após dia. Mas agora ela estava deitada imóvel naquela cama, eu passava o tempo a olhando e rezando para ela melhorar, porque eu ela sempre fomos a igreja e eu não admitiria que Deus me abandonasse naquela hora.
Numa noite sai pra fumar, habito que ela havia insistido para que eu largasse, quando voltei ao quarto a encontrei sentada na cama quente e sólida, como se nunca tivesse estado doente, eu caminhei até ela devagar com lagrimas nos olhos, nas mãos ela tinha uma das peças de Shakespeare, eu sabia que ela o adorava. Eu te amo Anne, eu disse bem baixinho  e ela me olhou como seu eu tivesse dito aquilo a vida toda, quase sem voz ela me disse : Eu também te amo.
Nessa mesma noite nos amamos como se fosse a ultima vez, e uma voz que não queria ouvir lá no fundo me dizia que era a ultima vez. Naquela manhã eu acordei e olhei para o lado pronto para esboçar um sorriso, mas ela estava com os olhos vidrados no teto de madeira, meu deus Anne tinha morrido.
O enterro dela foi chuvoso, decidi enterrá-la embaixo da arvore onde tínhamos dando o nosso primeiro beijo, o padre dizia palavras mas eu não estava ouvindo, tudo que eu pensava era em como Deus tinha me abandonado  e levado minha pequena namorada junto com ele.Eu era o único  no enterro, pois eu era tudo que a órfã Anne tinha. Aquele dia foi terrivelmente sem sabor para mim, Anne estava morta e eu estava sozinho.  De repente me lembrei daquele verão quando tínhamos quinze anos, ela havia me feito jurar que estaria com ela para todo o sempre e que a seguiria a qualquer lugar que ela fosse naquela época Anne estava tão perfeita, que não havia sido problema fazer o juramento. Eu sai porta a fora da nossa antiga casa no Mississipi, e peguei minha linda Mercedes branca, o carro que ela tinha escolhido, e procurei um penhasco, por alguns minutos o carro apenas correu numa fração de segundos um frio na barriga, mas por fim eu estaria com ela para todo o sempre. 

O menino

Alegria gritavam seus versos
de longe ouvia-se a cantoria
para quem quisesse escutar

Ele era poeta e menino
e só queria brincar

Brincava com as palavras
se escondia
se encontrava

Era dia toda noite
e toda noite era dia

E quando se cansava
jogava foras e lápis e palavras
e pensava em descansar

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Doce ilusão

Silenciosamente me agarro aos seus desejos
vejo você dançando suavemente
em alegres lampejos

Me ofuscando com sua bela alegria
me agarro a ti com contida  histeria

Olhando o céu a noite
procuro as suas asas de anjo
tento tocar as estrelas

Mas você nunca aparece
numa noite qualquer te vejo sentado na lua
e eu silêncio
admirando sua silhueta suave e nua





sábado, 12 de janeiro de 2013

A pessoa


A pessoa entra na sua vida e começa a significar tudo pra você
você de repente começa a pensar nela a todo minuto
simplesmente precisa dela pra viver


 A pessoa te magoa uma vez
e você percebe que talvez não signifique nada pra ela

A pessoa diz que te ama as vezes
e você quer acreditar
você precisa acreditar
mas seu coração já está tão quebrado
e você tem medo

Você apenas quer fugir de tudo isso
mas está sozinho

E todas as noites você chora
e adormece agarrado a boas lembranças

De manhã você liga pra pessoa
começa a fazer planos
e por um instante você está feliz

E não importa o quão cruéis e triste sejam aquelas palavras
você faria absolutamente tudo pra ver a pessoa sorrir ao menos uma vez

domingo, 6 de janeiro de 2013

sobre 2012



Finalmente percebi quanta coisa mudou nesses últimos tempos, eu simplesmente não sou  quem eu costumava ser, e todos aqueles sorrisos que eu distribuía constantemente fazem parte do passado.Todos aqueles momentos em que fui boba e ingenua , hoje já não fazem parte de mim.
Mas ainda continuo com esse medo irremediável de me perder entre as lições da vida, de simplesmente não encontrar o caminho  e me ver sozinha sem a presença das pessoas que tanto valorizo.
Não posso dizer que não sou feliz na atualidade , mas não posso mais dormir com a luz acesa, não posso mais ser aquela criança que achava que o mundo estava em suas mãos.
Oh céus, ninguém sabe como eu me importo, me importo tanto que chega a doer, cada fibra do meu corpo é feita de preocupação e carinho para com os outros, mas parece que não consigo demonstrar o suficiente, sempre me falta algo para ser melhor e para fazer a vida dos que amo melhor
Eu quero alegria, eu quero harmonia,e acima de tudo quero realizar meus sonhos, porque apesar de tudo, sonhar ainda é o melhor da vida, e creio que só através deles posso tornar o mundo melhor..

sábado, 5 de janeiro de 2013

domingo

Entre os teus rompantes de raiva
eu conseguia captar alguma doçura
e nesses momentos eu me sentia a pessoa mais feliz do mundo

Eu queria que o domingo chegasse
e rezava incessantemente pra você gostar

Durante a semana eu temia
chorava e te acalmava

Só pra no domingo
você gostar

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Minhas alucinações

A casa passo
minha mente revela o meus olhos não podem ver

Tento fugir das minha alucinações
e me protejo no calor do seu peito

Meu coração bate junto com o seu
e eu me levanto só um pouquinho para sentir o cheiro do seu cabelo

Você me ganha com a sua ternura
e depois me vira do avesso com selvageria

E sem perceber eu me entrego a cada beijo
a cada toque
e  cada abraço seu

Deixando me levar
pelas ondas do seu amor